Extrato glicólico de aloe vera: como produzir?

O extrato glicólico de aloe vera, também chamado de extrato glicólico de babosa, é um componente concentrado que reúne os principais nutrientes do gel desta planta, podendo ser diluído e aplicado em diversos produtos posteriormente, em escala mais ampla.

É útil conhecer um pouco sobre este produto, uma vez que a babosa provavelmente seja a planta mais utilizada em toda a indústria cosmética, sobretudo no que diz respeito aos cuidados com a pele, com os cabelos e com a hidratação, de maneira geral.

Em outras palavras, o extrato glicólico de aloe vera é uma espécie de “ponto de partida” do uso em escala maior e mais profissional de cosméticos. Por isso, se você quer produzir seus próprios produtos de aloe vera, ou pretende simplesmente entender o funcionamento da indústria, é interessante fazer este experimento simples.

Confira, abaixo, como fazer o extrato glicólico de aloe vera, como conservar e como ele pode ser utilizado em tantas variações distintas:

A diferença entre o gel e o extrato

É bastante comum que pessoas confundam a ideia de extrato glicólico de aloe vera com a ideia do gel encontrado no interior das folhas. O gel é a substância viscosa naturalmente encontrada nas folhas, que pode ser retirada ao simplesmente quebrar ou cortar sua superfície. Ele também pode ser usado para fins estéticos, mas sua capacidade de conservação é reduzida.

O extrato, por sua vez, é um derivado do gel, uma vez que o utiliza como matéria prima e gera produtos mais versáteis e duráveis. O extrato glicólico de aloe vera é, em certa medida, uma versão refinada e ideal para a aplicação não fresca dos mesmos componentes centrais que são tão apreciados na babosa.

É ideal para quem não pode manter uma planta fresca em casa, ou para quem deseja ter um produto pronto para a aplicação, em vez de ter que extrair o gel diretamente das folhas todos os dias.

Como fazer o extrato glicólico de aloe vera?

Fazer o extrato glicólico de aloe vera é mais simples do que parece. A receita básica consiste em 100 ml do gel recém extraído da folha da planta, 90 ml de glicerina (preferencialmente vegetal) e 10 ml de álcool de cereal.

Se você não tem experiência na área, é bom saber que o gel é todo o interior (não verde) da folha da babosa. Não é necessário espremer, nem nada do tipo. Por vezes, ele é sólido o suficiente para ser pego na mão, enquanto em outras plantas ele é mais líquido.

Com o gel separado, basta bater no liquidificador ou em algum instrumento que o liquefaça, sem a necessidade de adicionar mais nada. Ao utilizar o liquidificador, preste atenção de que as lâminas não estejam aquecendo o gel.

Com o gel pronto, misture os outros dois ingredientes e mexa até ter certeza de que a mistura esteja homogênea. Guarda em um local escuro e fresco por cerca de uma semana em um recipiente fechado. Após o período, coe o líquido e você terá em mãos um extrato glicólico de aloe vera caseiro que poderá ser utilizado para várias finalidades.

Lembre-se, no entanto, de que não se trata de um produto final: é um concentrado que deve ser diluído em outros produtos. O extrato durará por até um ano sem a necessidade de grandes mudanças.

Como utilizar?

O extrato glicólico de aloe vera é um concentrado e deve ser sempre misturado como o componente ativo de alguma base cosmética. É o caso de cremes, loções, hidratantes e produtos para massagem.

Este tipo de extrato possui ação especialmente eficiente na pele e nos cabelos, sendo recomendado como hidratante, cicatrizante e como tratamento contra queimaduras. Também costuma ser utilizado em produtos contra a calvície.

A concentração do extrato glicólico de aloe vera nunca deve ser superior a 8% ou 10% do produto final, e deve ser preferencialmente adicionado a temperaturas abaixo de 45 graus Celsius, para que não sofra prejuízos em relação à sua eficiência.

Comments are closed